Os cinco fatores para a vitória, segundo Sun Tzu: 4) O COMANDO

sparta2“Por comando, refiro-me às qualidades de sabedoria, sinceridade, humanidade, coragem e rigor do general.”  Sun Tzu.

Parece óbvio que um candidato tenha que apresentar certas virtudes que justifiquem sua escolha como representante de uma parcela da sociedade. No entanto, alguns candidatos e assessores esquecem disso e confiam que apenas a disponibilidade de fartos recursos financeiros garantirá sua vitória

 

SABEDORIA

Quando falamos em SABEDORIA, não estamos necessariamente falando em formação acadêmica –  embora tal formação seja um fator importante, sobretudo para quem deseja legislar. O que referenciamos com este termo é a sabedoria necessária para decodificar os anseios do povo, propor soluções e transformá-las em lei, respeitando os limites impostos pela Constituição, por exemplo

SINCERIDADE

Sinceridade é uma forte vantagem competitiva, diferentemente do que alguns políticos pensam, é melhor um NÃO “bem dado”, que um SIM “mascarado”. Sendo sincero, o candidato não agradará a todos, porém, será respeitado pela grande maioria.

É comum ouvirmos expressões como: “Não gosto de Fulano, mas respeito sua sinceridade”. Ou “Gosto de Sicrano porque não fica ‘enrolando’ a gente, sempre diz ‘sim’ ou ‘não’ na hora”.

HUMANIDADE

Gostar de gente, demostrar compaixão, ter a capacidade de se solidarizar, de se colocar no lugar do outro, defendendo os interesses daqueles a quem representa, é fundamental para a estratégia da campanha.

É necessário destacar tais qualidades para que se atinja a mente do eleitor

CORAGEM

A coragem é uma das características humanas mais admiradas. Ninguém gosta de covardes, de “Maria-vai-com-as-outras” ou de um candidato que fica o tempo todo em cima do muro.

É necessário ter lado, defender suas ideias, ainda que isso possa desagradar parte do eleitorado. Lembre-se: Quem fica em cima do muro, leva pedrada dos dois lados.

RIGOR

O dicionário HOUAISS, define RIGOR como:

6- integridade, retidão

7 – precisão, exatidão

É necessário que tanto a equipe de campanha quanto os eleitores percebam no candidato uma postura íntegra que lhes permita saber, de antemão, quais medidas vai tomar o candidato em situações de conflito. Não há razão para que o candidato seja duro com um colaborador em uma situação delicada, enquanto mostra-se maleável com outro em situação similar, apenas pelo fato de este último ser filho de um importante cabo eleitoral, por exemplo